Literatura e opinião em um só lugar

Os Bons Segredos

Os Bons Segredos

dez 18, 2015

O sucesso de um livro nem sempre está numa evidente qualidade de escrita, composição e enredo. Não é a perfeição literária que define o gosto do leitor por uma obra, ou não. Na verdade, no cerne disso está a identificação. Sim, sendo o texto bem trabalhado, ou simples; intrincado ou coloquial; antigo ou contemporâneo; o grande mérito do autor esta em saber despertar uma empatia de quem lê por meio de suas personagens, conflitos, cenários e descrições. O diálogo existente entre os dois lados da relação, ou seja livro e leitor, deve ser denso, apaixonante, verdadeiro. Somente assim ele será real, e significativo não apenas como entretenimento, mas também uma forma de preencher a alma com emoções intrínsecas ao leitor, visto no enredo como um par daqueles momentos ali transcritos. Pode parecer um conceito subjetivo, mas talvez seja o elemento mais próximo de uma clareza quanto ao enorme sucesso conquistado por autores do estilo juvenil em diversas partes do mundo.

Óbvio, somente as vendas, o número de títulos publicados, o investimento considerável das editoras, e a gigantesca presença dos leitores desta nuance literária nos grandes eventos, já seriam aspectos suficientes para provar a qualidade de identificação dos leitores atuais com este tipo de literatura. No entanto, o entendimento deste fenômeno vai além desta visão tão superficial, ele precisa de casos reais, aplicados, para se fazer mais visível à quem acompanha de fora essa fenômeno. Veja o caso de Sarah Dessen, por exemplo, autora de 12 livros – com mais de sete milhões de exemplares vendidos -, ela é um dos maiores destaques do mercado americano, ganhadora de vários prêmios e presença constante na lista do jornal The New York Times de Best-Sellers publicados. Quis evidenciar a autora, pois, seu mais recente livro Os Bons Segredos (Editora Seguinte, 2015), concentra em si, uma série de qualidades que demonstram bem os motivos responsáveis por cativar milhares de leitores à consumir o estilo com dedicação e lealdade espantosas.

Você acha que aguenta as emoções contidas neste Os Bons Segredos?!

Você acha que aguenta as emoções contidas neste Os Bons Segredos?!

Sydney se sentiu invisível durante toda a vida. Peyton, seu irmão, sempre foi o foco da atenção – e preocupação – da família, e a garota acabou crescendo um pouco à sombra dele. Peyton é lindo e carismático, mas possui uma tendência autodestrutiva que já lhe rendeu diversas punições e temporadas na reabilitação. Até que  ele causa um acidente por dirigir bêbado, deixando um garoto paralítico, e vai parar na prisão. Por mais que o pai tente reverter a situação e a mãe não se conforme com o que está acontecendo, o rapaz terá que cumprir sua pena. Sydney, agora sem a referência do irmão mais velho, muda de escola e passa a questionar seu papel dentro da família e no mundo.

Narrado em primeira pessoa – o que facilita ainda mais a identificação do leitor com os sentimentos da personagem -, Os Bons Segredos, trata dos dramas de Sydney, que, diante da atratividade, charme involuntário, e o posterior comportamento problemático do irmão mais velho, vê-se relegada pela família em relação aos suas emoções, vida, e perspectivas. No entanto, antes de adentrar mais profundamente no enredo, e nos aspectos atrativos dele aos jovens leitores, é preciso evidenciar a escrita competente e fluida de Sarah Dessen. O maior mérito dela é repassar os sentimentos dos personagens de maneira subjetiva, nas entrelinhas, ou seja, ela não afirma que o personagem está triste inseguro, carente, confiante, ela demonstra isso no enredo, faz o leitor perceber isso e, desta forma, identificar-se com a emoção ao mesmo tempo considerando a cena descrita. Além disso, a rapidez e tom coloquial do texto torna a evolução da leitura mais dinâmica e envolvente, aproximando a linguagem dos tipos ali apresentados com a dos leitores de suas páginas.

O enredo vai muito além do romance romântico...

O enredo vai muito além do romance romântico…

É ai que entram os Chatham. Inserida no círculo caótico e acolhedor dessa família, Sydney pela primeira vez encontra aceitação total. Há a entusiasmada Layla, que vive se apaixonando pelo cara errado e tem uma fixação por batata frita; Rosie, a irmã mais velha que é patinadora e também já causou sua dose de problemas; o sr. Chatham, que comanda uma deliciosa pizzaria e adora musicas tocadas no banjo; a sra. Chatham com quem Sydney  compartilha seu amor por reality shows e que, mesmo doente, mantém todos unidos; e Mac, o irmão mais velho de Layla e a pessoa que finalmente parece enxergar Sydney de verdade.

Estando diante de problemas pessoais, Sydney busca uma saída em ambientes distantes de sua realidade, em novos cenários, com novos amigos. Tendo uma classe social privilegiada, ela escolhe uma escola mais simples, e um círculo de amizades menos interessados no ter e mais no ser, e é justamente o que ela precisava. A espontaneidade de Layla, amiga da nova escola, contrasta com a superficialidade das amigas anteriores, ela entende os sentimentos da protagonista, mesmo não tendo semelhanças evidentes com ela. À medida que mergulha neste cenário desconhecido, embora cativante, Sydney vai suprindo a ausência empática dos pais, e melhorando a culpa que sente pelas atitudes inconsequentes do irmão. Ora, se isso não é suficiente para causar identificação imediata com o jovem leitor, o que dizer do conflito existente entre ela e Ames, amigo do irmão que demonstra clara atração por ela, mesmo diante do desinteresse da garota?

Terminada a leitura você percebeu a metáfora do Carrossel?!

Terminada a leitura você percebeu a metáfora do Carrossel?!

 No fundo, a estória de Sydney encontra semelhança com diversas outras mundo afora, e isso faz dela algo significativo à quem lê. Em maior, ou menor, proporção, qualquer um já passou pelos conflitos vividos pela personagem bons e ruins. Quem nunca conheceu uma Layla, um Mac, um Ames, e até mesmo um Eric? Ou foi um?! Sarah Dessen demonstra a riqueza sua sua escrita justamente nesta composição verossímil com a realidade do jovem, das dúvidas, prazeres e medos. Assim, como Sydney todo adolescente busca seu lugar no mundo, querendo no caminho descobrir a amizade, o amor e uma família que lhe compreenda e apoie, apesar de tudo.

4 Comentários

  1. Gezilane Lima /

    Incrível como esses livros conquistam o amor dos adolescentes. Eles leem, comentam, tem cuidado com o objeto como se fosse algo precioso! Parece bom este, vou tentar ler na primeira oportunidade que tiver.

    • Com certeza. Como disse no texto, não é a toa que o estilo juvenil tem sido destaque no mercado, e relevante demais nos grandes eventos, como Bienais e encontros país afora. E mais, deveria ser mais explorado nas escolas, especialmente, essa identificação do enredo com o leitor.

      Beijos :)

  2. Esse livro por aqui? Nossa que surpresa! Você deveria ter mais obras “de menininhas” aqui no Baião, Sérgio, afinal, muitas meninas acompanham o site, né? Li, e adorei. Sua resenha transmitiu bem o clima dele, parabéns.

    • Sim Laura, com certeza pretendo dar mais atenção à livros do estilo no ano que vem. Afinal, tem mesmo muita garota que acompanha o site. Obrigado pelos comentários de sempre, amiga.

      Beijos :)

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>