Literatura e opinião em um só lugar

O Dragão de Gelo

O Dragão de Gelo

fev 20, 2017

Embora George R. R. Martin seja mundialmente conhecido por sua famigerada série literária “As Crônicas de Gelo e Fogo”, que iniciou sua publicação ainda em 1996 e deve ser finalizada ao ter sete livros escritos, o autor americano é famoso também por sua prolixidade em literatura, e por estar envolvido de maneira constante em projetos relacionados a essa arte – seja como editor, organizador, escritor ou roteirista. Pouco se sabe, mas Martin já era um autor experiente, e com uma ampla produção, ao começar aquela que seria sua obra mais consagrada até então. Ou seja, antes mesmo da segunda metade dos anos 1990, ele já era conhecido como um promissor nome da ficção científica, fantasia, e terror, sendo indicado a uma série de prêmios de grande destaque tanto no mercado editorial americano, quanto fora do país. Digo isso, pois texto singelo e poético verificado neste “O Dragão de Gelo” (Leya 2014), é fruto direto dessa fase pré-A Guerra dos Tronos, que mudaria a concepção artística e mercadológica acerca do escritor, alguns anos depois. 

Publicado em 1980, o livro apresenta a história de Adara, uma menina que nasceu no norte do mundo e teve o seu parto influenciado pelo inverno, que, supostamente, matou sua mãe e tornou ela uma criança fria, distante, e desapegada das amenidades do cenário que a cerca. Vivendo em uma fazenda com o pai e dois irmãos mais velhos, ela vivia sempre a espera do inverno, onde poderia desbravar as criaturas da estação, e encontrar o dragão de gelo, um perigoso e lendário ser mitológico. O texto concentra seus primeiros capítulos a relação mágica da menina com o inverno, com a família, e dá traços bem distantes de um conflito muito perigoso entre cavaleiros de dragões, representado pela presença do tio de Odara, Hal, que visita a família da menina de maneira constante.    

Uma edição de luxo para um autor que faz a alegria do mercado editorial

Edição belíssima de uma história que une a perícia de Martin com a arte singular de Luis Royo

Como ressalta sinopse oficial do livro “Adara é filha do inverno, do gelo, do silêncio. Quando a menina nasceu, o frio lancinante que se debateu sobre as Terras do Norte deixou marcas profundas, que jamais foram esquecidas por aqueles que lá viviam. Adara, como ninguém mais, contava os dias para o inverno. A gélida estação era o anúncio da chegada de seu melhor amigo, o misterioso e temido dragão de gelo. Era quando a menina podia sair do seu silêncio; quando o frio da pele de Adara encontrava o frio irmão da pele e do mais temido dragão.” 

Martin trabalha no enredo, essencialmente, a relação de Adara com o dragão de gelo e com seus familiares, de uma maneira bastante simples e linear. A narrativa vai evoluindo por meio de um texto sentimental e empático, nos apresentando uma criança modificada por uma estação do mundo, no caso o inverno, algo ainda mais delimitado pela postura dos irmãos dela, do pai, e do tio, que evidenciam este comportamento incomum da menina em relação ao contexto social e ambiental que a cerca. Vale salientar que o texto é bem direto, de fácil compreensão, sem perder o lirismo intrínseco de um escritor apegado ao fazer literário especulativo. Porém, as palavras de Martin coadunam com o estilo de narrativa ali impressa, que se aproxima mais do conto de fadas, e revela uma trama do passado mesmo sendo contada no presente na maior parte do tempo. 

Arte e texto são intrínsecos ao longo da narrativa

Arte e texto são intrínsecos ao longo da narrativa

Importante dizer que, embora traga uma série de elementos bem próximos ao “Mundo de Gelo e Fogo”, como ressaltado acima, o livro (segundo o autor) não tem relação direta com a série mais famosa de Martin. Todavia, é impossível não estabelecer uma relação entre os aspectos do cenário nesta obra e nas de Westeros. Por exemplo, como não relacionar o inverno tratado em “O Dragão de Gelo” com aquele tão aclamado desde os primeiros volumes da série literária? E a associação do Norte entre os dois cenários? A própria guerra travada no clímax da narrativa evoca acontecimentos “históricos” da cronologia do mundo criado posteriormente. Se não existe uma relação direta entre os dois, qualquer leitor atento percebe a existência de itens pré-concebidos, e melhor abordados, mais tarde em “As Crônicas de Gelo e Fogo”.

A riqueza do enredo é muito exaltado pela ligação intrínseca entre texto e arte, que promovem uma percepção sensorial mais completa, e tornam a degustação desta produção algo mais única que um texto simplesmente grafado em letras. As ilustrações do livro ficam a cargo de Luis Royo, nome já experiente e reconhecido no meio da fantasia, por sua participação em mais de trinta obras dentro e fora da literatura. As ilustrações que acompanham o texto ao longo da narrativa revelam o clima épico e passado da trama ali apresentada, destacando também – principalmente nas cenas mais abertas e de combate -, toda a perícia e detalhamento com que Royo descreve em imagem a mensagem revelada por Martin em texto. 

O Inverno, dragões, magia, o Norte, e outros aspectos de Westeros já aparecem no enredo

O Inverno, dragões, magia, o Norte, e outros aspectos de Westeros já aparecem no enredo

“O Dragão de Gelo” revela-se, logo em suas primeiras páginas, uma leitura agradável mesmo para quem não tem a fantasia (ou mesmo a própria leitura) como hábito comum em seu cotidiano. O texto direto e belo, aliado as imagens fantásticas, cumprem muito bem o seu papel de imergir rapidamente quem lê na trama ficcional ali sugerida. O mote simples e conflito iminente, abraçam o leitor de uma maneira tão arraigada como o frio que rege a vida e os sentimentos da jovem Adara. No entanto, é perigoso afirmar que a obra seja uma boa iniciação ao gênero, ou mesmo a produção de Martin. Isto, pois, há um estilo todo seu no livro e que segue um caminho bastante próprio. Este pode desagradar leitores mais experimentados no gênero, e chamar a atenção de não afeitos a fantasia, e o contrário também. Em suma, é uma leitura bem rápida e despretensiosa, mas que encanta sim pela aliança entre texto e imagem. 

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>