Literatura e opinião em um só lugar

Guanabara Real: A Alcova da Morte

Guanabara Real: A Alcova da Morte

mai 10, 2017

Tenho visto com bastante alegria o crescimento de (sub)gêneros que permeiam a fantasia no Brasil. Isto pois, mesmo um país continental como o nosso ainda engatinha em certos aspectos literários, e isso de maneira plural. Ora, embora nossa produção literária seja (e sempre tenha sido na medida do possível) ampla e frequente, determinados estilos careciam de maior representação, e, mesmo quando produzidos se deparavam com uma infinidade de problemas inerentes ao nosso mercado editorial (publicação, registro, divulgação, distribuição, comercialização, aceitação, etc). Essa realidade, infelizmente, ainda é muito presente nesse cenário descrito, porém, vislumbra-se com cada vez mais recorrência, o surgimento de iniciativas que objetivam mudar esse quadro abjeto de nosso viés literário, sobretudo, quando destinado ao fantástico, em suas mais variadas manifestações líricas. Faço questão de enaltecer esse ponto em específico, pois a obra analisada no texto abaixo surgiu como fruto direto da iniciativa de um grupo localizado em Santa Maria (RS), e de uma editora que vem apostando na qualidade dos autores nacionais, oferecendo um caminho seguro e viável para que apresentem seu talento Brasil afora.

Para quem ainda não fez a relação entre os elementos citados, falo mais precisamente do livro Guanabara Real: A Alcova da Morte publicado pela Avec Editora, e que revela para o país três autores pertencentes ao efervescente Grupo Steampunk da citada cidade gaúcha. É bem verdade que os nomes que compõe a obra não são inteiramente desconhecidos dos leitores brasileiros, muito pelo contrário. O professor, tradutor e escritor Enéias Tavares chamou bastante atenção do mercado em sua estreia em literatura, com o interessantíssimo A Lição de Anatonia do Temível Dr. Louison (LEYA, 2014). Da mesma forma, o igualmente professor e roteirista A.Z. Cordenonsi com o notável Le Chevalier e a Exposição Universal (Avec Editora, 2015). Por fim, mas não menos importante, temos Nikelen Witter com seu “Territórios Invisíveis” (Avec Editora). Juntos, os três nomes do steampunk de Santa Maria compuseram uma trama que mescla com autoridade investigação policial, horror sobrenatural, e ficção científica, num Rio de Janeiro em fins do século XIX permeado de mistérios e estigmas sociais. 

A capa fantástica do livro e seus antecedentes em termos de estilo

A capa fantástica do livro e seus antecedentes em termos de estilo

Brasil, 1892. Durante a noite de inauguração da estátua do Corcovado, um horrendo crime toma de assalto a alta sociedade carioca. Para resolver o mistério, a investigadora particular Maria Tereza Floresta, o engenheiro positivista Firmino Boaventura e o dândi místico Remy Rudá terão de se embrenhar numa perigosa trama de poder e corrupção. O que parece mais um caso, aos poucos se revela um plano que põe em risco o futuro de todo país e para impedi-lo, a agência de detetives Guanabara Real terá de usar toda a sua perícia para solucionar os enigmas tecnológicos e os mistérios arcanos da sangrenta Alcova da Morte!

Conforme ressalta a sinopse da obra, o trio que compõe a agência de detetives Guanabara Real constitui a essência do enredo, simbolizando na trama a diferença conceitual e estilística dos autores envolvidos no projeto. E mais, suas personalidades e aspectos físicos denunciam conflitos de época, concedendo uma maior fruição ao leitor mais atento. Ora, Maria Tereza Floresta é mulher e obstinada, algo não muito aceito naquela sociedade em fins de século. O papel submisso da mulher na recém instaurada República – ainda cheia de ranços da Corte Imperial -, torna a figura da protagonista ainda mais forte e marcante durante o desenvolvimento do enredo, e ambientação na história.

Já Firmino Boaventura é negro, algo que por si já destinada uma boa dose de preconceito à sua figura (algo bem evidenciado na trama). Porém, seu talento e apego a ciência positivista, além de enaltecerem o estigma social contra ele, o tornam um arquétipo inesquecível e que pontua com precisão o contraste estabelecido entre os participantes da agência. Remy Rudá possui traços indígenas, é homossexual, e tem o conhecimento místico como seu grande aliado, ou seja, um conjunto de elementos que, isolados, já seriam suficientes para torná-lo um pária naquele contexto social vigente.

O começo de uma trama que envolve investigação, mistério e ficção científica...

O começo de uma trama que envolve investigação, mistério e ficção científica…

Porém, a união dessas três personalidades tão marcantes, e distintas, formam um todo pra lá de interessante, e que dinamiza muito bem a proposta plural do enredo, que divide a narrativa em capítulos alternados dando voz aos três protagonistas em igual conta. Sendo assim, o cenário se expande graças a visão narrativa dos três personagens, e amplia a percepção do leitor sobre uma mesma cena e local, como no caso do assassinato logo no começo do livro. Pensando na obra como um trabalho realizado à seis mãos, é louvável que não hajam incongruências estilísticas, nem de ritmo ou narração, ao longo da história. Sendo professores, e escritores já experimentados, souberam dosar bem uma trama coerente, imersiva, e interessante, sem cansar o leitor ou conceder disparidades a continuidade do enredo. Sobre a competência na escrita, o trecho abaixo – assinado por Nikelen Witter, exemplifica bem o caso:

Maria Tereza não esperou coerência do delegado e foi ver o que o policial informara. Uma parte da parede de metal, que revestia a sala escavada na pedra, se movera para o lado. Ela olhou rapidamente a junção e vislumbrou o mecanismo que movimentava a parede, ocultando uma espécie de alcova sem qualquer sinal de janela ou iluminação. Depois, viu o cadáver estirado. O policial chegou atropelando-a, tentando forçar a entrada na sala. Tereza colocou o braço na sua frente com o punho fechado. – Tem certeza de que vai entrar ai?

A Alcova da Morte agrega com a pretensão de expandir seu gênero país afora

A Alcova da Morte agrega com a pretensão de expandir seu gênero país afora

Ainda sobre esse processo de escrita e desenvolvimento do livro, segundo afirmam os próprios autores, foi fruto de meses de planejamento, troca de ideias, e reescrita da história, culminando num enredo recheado de mistério muito bem dosado com pitadas de horror, steampunk, e romance policial. E não à toa, durante a escrita da obra Nikelen bebeu na fonte criativa de Agatha Christie, enquanto Enéias Tavares mergulhou nas profundezas de H.P. Lovecraft, e Cordenonsi desbravou as páginas de Júlio Verne. Por fim, vê-se em cada capítulo – na narrativa como um todo -, traços singulares dessas influências, e de uma escrita fluida, agradável, instigante e própria, acima de tudo. Mesmo seguindo os traços enraizados no gênero trabalhado, os autores souberam dar vida à sua linguagem, cenário e personagens, ambientando o Brasil da época num contexto particular, interessante, e crível, mesmo estando numa ambientação com viés fantástico.

Devo confessar que, mesmo sendo familiarizado com os livros anteriores de Enéias Tavares e A.Z. Cordenonsi, me peguei surpreendido pela obra em questão, sobretudo, pelos capítulos escritor por Nikelen Witter (desculpe, rapazes). Observando o enredo como um todo, ela parece ter encarnado sua Maria Tereza e agido como talentosa mediadora entre o ímpeto dos dois parceiros, criando um produto artístico final digno do gênero, e que merece não apenas o conhecimento geral do público, mas estar entre as preferências de quem não dispensa uma boa leitura capaz de imergir quem lê num ambiente ao mesmo tempo próximo, distante, e empático.

Não posso finalizar essa análise sem parabenizar o trabalho da Avec Editora não apenas em relação a parte gráfica do livro, mas também em relação a sua atitude de apoiar de maneira digna e competente novos autores, e iniciativas como essas, que apenas somam para o mercado nacional, especialmente, na literatura fantástica. É um grande prazer analisar trabalhos como esse, e ver que existe muita riqueza literária no país, basta alguém corajoso o suficiente para ir lá buscar!

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>